top of page

Resultados de busca

8 itens encontrados para ""

  • Favela Literária Revela os Selecionados para a Edição de 2024!

    A organização da Favela Literária anunciou os escritores selecionados para a sua aguardada edição de 2024. Com uma seleção criteriosa, a organização destacou os novos talentos que irão brilhar na Expofavela Amapá, promovendo a cultura e a literatura da periferia. Conheça os Novos Talentos A lista dos autores escolhidos é um verdadeiro tesouro de criatividade e inovação. Cada um deles traz consigo histórias únicas, perspectivas diversas e uma paixão pela escrita que promete encantar o público. A seleção foi realizada com o objetivo de dar voz àqueles que muitas vezes não encontram espaço no mercado literário tradicional. Confira a lista: Agenda da Expofavela Amapá 2024 A Expofavela Amapá ocorrerá nos dias 08, 09 e 10 de agosto, no Centro de Exposições do Sebrae. Será uma oportunidade imperdível para conhecer de perto esses novos autores, participar de debates, palestras e sessões de autógrafos, além de adquirir obras autênticas que refletem a realidade e os sonhos das comunidades periféricas. Patrocínio e Promoção A realização do evento conta com o apoio essencial de diversas instituições que acreditam na importância da cultura e da inclusão social. Entre os patrocinadores estão Sebrae Amapá, senador Randolfe Rodrigues, Governo do Estado do Amapá, Ministério Público do Amapá e Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais do Estado do Amapá (SINTRAF-AP). A promoção fica por conta da TV Globo e da Rede Amazônica AP, que levarão a cobertura completa do evento, amplificando o alcance e a visibilidade dos novos talentos. Realização A organização do evento é feita pela Favela Holding, uma instituição dedicada a fomentar a cultura e o empreendedorismo nas favelas brasileiras, proporcionando oportunidades e transformando realidades.

  • Poetas Azuis e a Nova Cena Musical Amapaense Brilham no Festival Amazônia Pop

    Em uma noite que promete ser um marco na cultura local, o Festival Amazônia Pop reúne neste sábado, 13 de julho, a partir das 19h, um elenco eclético de artistas amapaenses para um espetáculo musical imperdível na Avenida Mendonça Furtado. Parte da programação oficial do Macapá Verão 2024, o evento promete uma fusão única de ritmos amazônicos, misturando Marabaixo e Batuque com influências de Cumbia, Zouk, Kassikó, Soul, Jazz, Rap e música eletrônica contemporânea. A iniciativa, organizada pela Duas Telas Produtora Cultural e realizada em parceria com a Fundação de Cultura e Instituto Amazônia Criativa, destaca-se pela busca de valorização e difusão da rica diversidade musical da região. Entre as atrações, os Poetas Azuis merece um destaque especial. Numa apresentação que mescla literatura e música, os queridos Pedro Stkls e Thiago Soeiro têm encantado plateias com sua técnica de poemas falados e cantados. Seus temas abrangem desde o afeto e o amor livre até as questões sociais e culturais do norte do Brasil. Com uma presença forte na cena literária local, a dupla já se apresentou em importantes eventos nos estados do Pará, Alagoas, Pernambuco, Bahia e Rio de Janeiro, solidificando-se como um dos pilares da cultura amazônica contemporânea. Uma Noite para Celebrar a Cultura Amazônica O Festival Amazônia Pop não é apenas um evento musical, mas um espaço de celebração e resistência cultural recheado de muita poesia falada e cantada. Em tempos onde a cultura precisa ser cada vez mais valorizada e protegida, iniciativas como esta reforçam a importância da união e da expressão artística. O público de Macapá está convidado a participar dessa noite única, onde a tradição e a modernidade se encontram em um espetáculo inesquecível.

  • Recital “O Tempo é Onde” acontece hoje, no Mercado Central

    Hoje, às 16h, o Mercado Central de Macapá será palco do recital “O Tempo é Onde”, do querido poeta Pedro Stkls. A apresentação faz parte da programação do “Macapá Verão”, evento promovido pela Prefeitura de Macapá através da Fundação Municipal de Cultura (Fumcult). O recital promete envolver o público com a profundidade e a sensibilidade das palavras de Pedro Stkls, que é conhecido por sua poesia que explora as nuances do tempo e da existência. “O Tempo é Onde” é uma das atrações culturais deste verão, que busca proporcionar à comunidade momentos de reflexão e apreciação artística. A Fumcult, em parceria com a Prefeitura de Macapá, tem se empenhado em oferecer uma programação diversificada e acessível, valorizando os talentos locais e proporcionando lazer de qualidade para a população. Não perca esta oportunidade de se encantar com a poesia de Pedro Stkls e de aproveitar a programação do “Macapá Verão”.

  • Morre a poeta Glória Araújo

    A poeta Glória Araújo, carinhosamente conhecida como Vó Glória, morreu hoje aos 84 anos. A notícia foi confirmada por sua filha, Oseliana Mota, e recebida com grande tristeza por todos que tiveram o privilégio de conhecer e amar essa grande artista. Na última quinta-feira, amigos, familiares e admiradores se reuniram em um sarau solidário para ajudar no tratamento de saúde de Glória, mas infelizmente ela não resistiu. Glória Araújo era uma figura de referência na cena cultural amapaense, admirada por sua escrita autêntica e cativante. Sua poesia, frequentemente rimada e pontuada por um humor sagaz, encantava a todos, deixando uma marca indelével na literatura local. Vó Glória deixa centenas de netos de coração. Seu legado continuará vivo em cada verso recitado, em cada memória compartilhada e em cada nova inspiração que suas palavras proporcionarem.

  • Setorial do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas comemora a posse dos novos conselheiros de cultura do estado do Amapá no segmento literatura

    Hoje pela manhã (05/07), o Setorial do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas do estado do Amapá celebrou a posse dos novos conselheiros de cultura, um momento de grande relevância para o desenvolvimento e fortalecimento da cena literária local. A cerimônia reforçou a importância do Conselho de Cultura na promoção e valorização das artes e da literatura no estado. Os novos conselheiros, o poeta Pedro Paulo Coelho Silva Júnior, conhecido artisticamente como Pedro Stkls, e a poeta Patrícia Andrade Vieira, ou Pat Andrade, trazem consigo uma bagagem rica em experiências e um profundo compromisso com a cultura e a literatura amapaense. Pedro Stkls, conhecido por sua obra poética e intervenções artísticas através do grupo Poetas Azuis, destaca-se pela sua capacidade de expressar a complexidade e a beleza da vida na região. Sua poesia é um retrato autêntico das vivências e desafios amazônicos e de gênero, sempre com uma sensibilidade que conquista leitores e platéias de todas as idades. Pat Andrade, por sua vez, é uma voz potente e ativa na literatura produzida no Amapá. Seus poemas exploram temas inerentes às nuances das relações humanas. Com uma carreira marcada por mais de 30 publicações totalmente artesanais e independentes, além de participações em eventos literários, Pat Andrade representa a força criativa e a diversidade da produção literária do Amapá. A posse de Pedro Stkls e Pat Andrade como conselheiros de cultura representa um passo significativo para o segmento de literatura no estado. Eles assumem o compromisso de trabalhar incansavelmente para fortalecer a política cultural, promover a leitura e incentivar a produção literária, aproximando cada vez mais a população da riqueza cultural amapaense. O Conselho de Cultura do Amapá tem um papel fundamental na articulação de políticas públicas que fomentem a arte e a cultura, assegurando que todos os segmentos tenham voz e representação. A inclusão de figuras tão representativas como Pedro Stkls (representando as organizações civis) e Pat Andrade (representando o poder público) promete uma gestão dinâmica e sensível às necessidades dos escritores e leitores do estado. Com esses novos conselheiros, o Setorial do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas do Amapá ganha força e renovação, inspirando a comunidade literária a continuar criando, lendo e valorizando a literatura como uma ferramenta essencial para o desenvolvimento humano e social. A Revista Literária O Zezeu parabeniza os novos conselheiros.

  • Coletivo Juremas passa a integrar rede da PBL

    A Periferia Brasileira de Letras (PBL) é uma rede composta por coletivos literários que atuam em territórios de alta vulnerabilidade social, com presença nacional. A PBL busca a territorialização de políticas públicas e a produção de conhecimento sobre literatura em favelas e periferias brasileiras através de pesquisas, seminários e publicações. A rede inclui rodas de slam, bibliotecas comunitárias, editoras independentes, saraus poéticos, residências literárias, rodas de leitura, teatro de rua e festivais literários. Essas diversas formas de organização e mobilização com a palavra poética convergem para o mesmo objetivo político: a ampliação da democracia dentro das favelas, vilas, comunidades e quebradas brasileiras. Essa abordagem também dialoga com a proposição de Antônio Cândido, que defende a literatura como um direito humano. Dois conceitos são centrais para a atuação da PBL: a Promoção da Saúde e a Promoção da Literatura. No contexto da Promoção da Saúde, a Cooperação Social da Fiocruz identificou que as experiências culturais, especialmente as literárias, vão além do diagnóstico sobre iniquidades sociais, revelando modelos inovadores de formação crítica e cidadã nas favelas brasileiras. Essa é a intersetorialidade, uma abordagem que articula diferentes setores da sociedade para tratar problemas de forma conjunta e integrada. Já a Promoção da Literatura se materializa no reconhecimento de que a criação literária é um fenômeno estimulador de identidades culturais. Em um mundo desigual, uma obra literária pode provocar perspectivas insurgentes sobre o status quo e fomentar novas ideias, forjando pertencimentos sociais. Mediadores de leitura, produtores culturais, poetas e escritores têm utilizado a força da palavra poética para mobilizar moradores das periferias, combinando o direito ao deleite estético com atos de resistência cultural. Nessa definição, encontram-se os coletivos literários da rede PBL e grande parte de sua luta política. Neste contexto, a PBL, em parceria com a coordenação da Fiocruz, concluiu recentemente um rigoroso e inspirador processo seletivo para coletivos literários da Região Norte do Brasil. O objetivo foi reconhecer e fortalecer a rica diversidade literária das periferias da região. Este processo culminou em um resultado notável: um empate na pontuação de primeiro lugar entre dois coletivos, destacando-se o Coletivo Juremas, de Macapá (AP). O Coletivo Juremas, conhecido por suas iniciativas impactantes na promoção da literatura e da cidadania em Macapá, será um valioso membro da rede PBL. Sua inclusão reflete a qualidade e a importância de seu trabalho, contribuindo para o fortalecimento da diversidade literária e cultural nas periferias brasileiras. A presença do Coletivo Juremas na PBL promete enriquecer significativamente as atividades e os objetivos da rede, promovendo um intercâmbio cultural e literário mais robusto e diversificado. A coordenação da PBL decidiu convidar ambos os coletivos literários que empataram em primeiro lugar para integrar a rede, reconhecendo a qualidade e o impacto das suas iniciativas. Além do Coletivo Juremas, o Coletivo Escambo Literário, de Belém (PA), também foi selecionado.

  • Thiago Soeiro e a Arte de Dizer Poemas

    No âmago da palavra, onde a voz se torna o pincel e o ar o seu quadro, reside a mágica da declamação. Dizer um poema é invocar um universo inteiro com a sutileza de uma entonação. É mergulhar nas profundezas da emoção humana e emergir, resplandecente, no mundo sensível de quem escuta. Quando a palavra ganha voz, ela se transforma. O som, o ritmo, a pausa – tudo se funde para criar uma experiência única, uma dança invisível entre o poeta e o ouvinte. É como se, ao declamar, o poeta emprestasse sua alma ao poema, e cada palavra proferida carregasse o peso da sua vivência, do seu sentimento. Na arte de dizer poemas, cada entonação é uma cor, cada pausa é um silêncio carregado de significados. É como uma pintura que se revela aos poucos, onde a cadência das sílabas desenha paisagens interiores, evocando memórias, suspiros, lágrimas e sorrisos. É um ato de comunhão, onde o declamador e o ouvinte se encontram num espaço atemporal, unidos pela magia da palavra falada. A declamação transforma a poesia escrita em uma experiência tátil, palpável. A voz do declamador, com sua textura única, adiciona camadas de profundidade e emoção que, muitas vezes, escapam à leitura silenciosa. É um encontro íntimo, onde a presença física e o timbre da voz criam uma atmosfera envolvente, quase mágica, que transporta o ouvinte para dentro do poema. Há um poder transformador na arte de dizer poemas. Ela tem o dom de tocar a alma, de despertar sentimentos adormecidos, de provocar reflexões profundas. O poema dito em voz alta reverbera no coração, ecoa nos recantos da mente, deixa marcas indeléveis no espírito. É uma ponte entre o mundo interior do poeta e a vastidão do universo sensível de quem escuta. Na era digital, onde as palavras são frequentemente confinadas a telas luminosas, a declamação resgata o valor do encontro presencial, do olho no olho, do silêncio compartilhado. É um convite a desacelerar, a ouvir com o coração, a permitir que a poesia preencha os espaços vazios do cotidiano com sua beleza efêmera e eterna. Assim, ao dizermos um poema, não estamos apenas repetindo palavras. Estamos revivendo sentimentos, compartilhando vivências, tecendo uma teia invisível de conexões que transcendem o tempo e o espaço. Na voz que declama, a poesia encontra seu eco, e no ouvido que escuta, ela se eterniza. E assim, num ciclo interminável, a arte de dizer poemas perpetua a essência da humanidade, sempre em busca de beleza, sempre em busca de sentido. Dentro desse universo encantado da declamação, encontramos Thiago Soeiro, um "dizedor" de poesia cuja trajetória exemplifica a profundidade e a paixão que este ofício pode alcançar. Nascido em Belém do Pará, Thiago passou a infância e adolescência em Monte Dourado, no interior do estado, e desde 2008 reside em Macapá. Jornalista de formação, ele começou em 2009 a compartilhar seus escritos no blog "Amor Cafona", paralelamente à sua carreira de poeta e declamador. Thiago é um dos fundadores do grupo litero-musical Poetas Azuis, criado em 2011 junto com seu companheiro Pedro Stkls. Este ano marca os 15 anos de sua carreira como poeta e declamador, durante a qual ele participou de eventos literários em diversos estados brasileiros, incluindo Rio de Janeiro, Bahia, Alagoas, Pernambuco e Pará. Desde o início, dedicou-se à declamação profissional de poesia, se autodenominando "dizedor" de poesia. Esta forma interpretativa de declamar um poema traz uma interpretação pessoal, fazendo com que o texto falado se assemelhe a uma conversa ou, às vezes, até a um diálogo com o espectador. Em 2024, Thiago iniciou uma série de vídeos em sua rede social Instagram (@tgsoeiro), postando semanalmente vídeos "dizendo" poesia. São poemas dele e de outros autores, como Pedro Stkls, Fernando Pessoa, Mario Quintana, Bruna Beber, Bruno Fontes, Lucão, entre outros. O intuito é popularizar a poesia através da fala. "Para mim, falar poesia é um ato de amor à palavra. Eu gosto de ler, estudar os poemas, conversar com meu parceiro Pedro sobre as intenções de cada verso, interpretá-lo com verdade mesmo, para que o vídeo seja compreendido, para que possa seguir adiante e encontrar outras pessoas, assim como fui encontrado por ele", explica Thiago. Em 2021, Thiago publicou o livro "Salva-vidas", que reúne poemas escritos entre 2013 e 2017 e fala sobre sua relação com a Palavra. "Eu me apaixonei pela poesia aos 14 anos com Mario Quintana, e desde então eu escrevo e leio poemas e fiz disso a minha vida. E como uma necessidade, estou sempre atrás da poesia, seja num livro ou na vida, o poema sempre me encontra", relata. O livro de Thiago pode ser ouvido gratuitamente nas plataformas de áudio por meio do link: https://onerpm.link/2514900900 . Ele também mantém um blog onde divulga seus escritos: [https://pordentrodopoema.blogspot.com/](https://pordentrodopoema.blogspot.com/). "Eu acredito que a poesia como arte está sempre nos salvando de alguma forma. Eu escrevo porque necessito disso na minha vida, eu falo poemas porque preciso disso para viver e sei que meus textos e minhas declamações estão sempre encontrando alguém que também precisa daquela palavra", conclui Thiago. Thiago Soeiro, com sua voz e sua paixão pela poesia, exemplifica a essência do ato de dizer poemas. Sua trajetória e dedicação mostram como a declamação pode transformar palavras em vivências, tocando profundamente a alma de quem ouve. Claridade - Thiago Soeiro

  • Sarau em homenagem à Glória Araújo: Um encontro de arte, afeto e gratidão

    Nesta próxima quinta-feira, 4 de julho, a Casa Circo, localizada no coração de Macapá, será palco de um evento especial: um sarau em homenagem à poeta Glória Araújo. Amigos, familiares e admiradores se reunirão para celebrar a vida e obra dessa notável figura da literatura amapaense, conhecida por sua escrita cativante e presença encantadora. Programação Rica e Diversificada A noite promete ser repleta de emoções e cultura, com uma programação que inclui declamações de poesias, música ao vivo e apresentações artísticas. Entre os destaques, estão o ensaio aberto de artistas da Casa Circo, performances musicais de Geison Castro e Mestre Grilo, além da participação de grupos litero-musicais como Tatamirô, Poetas Azuis e Coletivo Juremas. Homenagem a uma Poeta Amada Glória Araújo, carinhosamente chamada de Vó Glória por muitos, está atualmente em tratamento médico. Este sarau é uma manifestação de amor, carinho e respeito pela poeta, que ao longo de seus 84 anos conquistou corações com sua poesia rimada e humor apimentado. Nascida em Belém do Pará, Glória tem uma trajetória rica e inspiradora, com obras publicadas em coletâneas e livros solo, como "Poesia na Boca da Noite" e "Pelo Olhar da Glória". Uma Vida Dedicada à Arte Desde jovem, Glória demonstrou talento para a música, tocando piano aos 13 anos e lecionando no conservatório Carlos Gomes. Sua paixão pela arte a levou a momentos memoráveis, como a vez em que foi convidada por Luiz Gonzaga para subir ao palco e aprender a tocar acordeon em plena praça pública de Belém. Programação Completa - Apresentações Poéticas : - Poesia na Boca da Noite (Poetas amigos da Glória) - Ricardo Pontes - Rostan Martins - Tatamirô Grupo de Poesia - Poetas Azuis - Casa Circo - Coletivo Juremas - Atrações Musicais : - Geison Castro - Banda Penélope Moderna (com Mary Paes, Ládio Gomes e Renato Gemaque) - Wedson Castro - Raule Assunção - Mestre Grilo - Declamações e Leituras de Poemas : - Alcinéa Cavalcante - Mary Paes - Tiago Quingosta - Bruno Muniz - Judivalda Brasil - Claudia Flor D’Maria - Lu de Oliveira - Angelita - Kassia Modesto - Pat Andrade - Jaci Rocha - Luiza - Marcio Barros - Cricilma Ferreira - Paulo Tarso Barros - Exposições : - Poemas de Glória Araújo - Obras de arte de Lene Moraes - Mostra Artística das obras do livro "Poesia para Vilarejos" de Bruno Muniz Apoio e Colaboração O evento é resultado da dedicação e generosidade de artistas e apoiadores, que se doaram voluntariamente para tornar esta homenagem possível. O público também pode contribuir para o tratamento médico de Glória através da chave PIX: oleriana.gomes@gmail.com. Serviço Sarau para Glória - Data: 4 de julho - Horário: 18h às 21h - Local: Casa Circo - Jardim Marielle Franco, Av. Ernestino Borges, 191, Centro, Macapá-AP - Transmissão: Redes sociais - Entrada: Gratuita **Atendimento à imprensa:** Mary Paes (96) 99179-4950 Esta celebração será um momento de união, arte e amizade, refletindo o espírito generoso e apaixonado de Glória Araújo. Não perca a oportunidade de fazer parte deste tributo inesquecível!

bottom of page