top of page
_8e8e5716-c6de-4bd8-801b-acf302b56952_edited.jpg

O Resgate dos Romances Folhetinescos

Uma Análise do Romance "Emília" e sua Publicação na Revista Literária O Zezeu

Os romances folhetinescos, uma forma popular de literatura serializada que floresceu nos séculos XIX e XX, continuam a exercer influência na literatura contemporânea. No Brasil, essa tradição teve um papel significativo na formação do cânone literário nacional. Um exemplo recente dessa tradição é o romance "Emília", do escritor Bruno Muniz, que foi publicado diariamente nos últimos meses na Revista Literária O Zezeu.

Os Romances Folhetinescos: Uma Tradição Literária Viva na Era Contemporânea

Na literatura brasileira, poucos gêneros foram tão marcantes e populares quanto os romances folhetinescos, que tiveram seu auge durante o século XIX. Essa forma de narrativa serializada conquistou leitores de todas as classes sociais, sendo disseminada principalmente por meio de jornais e revistas. Autores como Machado de Assis e José de Alencar deixaram suas marcas nesse universo, contribuindo para moldar a identidade literária nacional.

 

Durante o século XIX, o Brasil passava por intensas transformações sociais, políticas e culturais. Nesse contexto, os romances folhetinescos surgiram como uma forma de entretenimento acessível e envolvente, oferecendo aos leitores uma fuga das realidades cotidianas. As obras eram publicadas em capítulos curtos, geralmente semanais, o que permitia uma conexão íntima entre o autor e o público leitor. Essa periodicidade estimulava a expectativa e mantinha os leitores ansiosos por mais, criando uma comunidade em torno da obra.

Machado de Assis, um dos maiores expoentes da literatura brasileira, contribuiu significativamente para o desenvolvimento dos romances folhetinescos. O autor publicou várias de suas obras, como Memórias Póstumas de Brás Cubas e Dom Casmurro, em folhetins, alcançando grande popularidade e estabelecendo seu nome como um dos principais escritores do período.

 

José de Alencar, por sua vez, também deixou sua marca nesse gênero literário com obras como Senhora e Lucíola. Seus romances exploravam questões sociais, políticas e amorosas, cativando leitores de todas as idades e classes sociais.

 

Com o passar do tempo e o avanço da tecnologia, a forma de consumo de literatura sofreu mudanças significativas. No entanto, a essência dos romances folhetinescos permaneceu viva. Se antes eram publicados em jornais e revistas, posteriormente se transformaram nas telenovelas e, hoje, encontramos essa forma de narrativa adaptada para o ambiente digital, com obras sendo disponibilizadas em blogs, sites e até mesmo em aplicativos de leitura.

 

A serialização e acessibilidade continuam sendo elementos-chave desse gênero literário, permitindo que autores contemporâneos alcancem novos públicos e mantenham uma conexão próxima com seus leitores. Mesmo com o forte avanço da internet e das novas tecnologias, os romances folhetinescos demonstram sua resiliência e capacidade de se adaptar aos tempos modernos, garantindo seu lugar de destaque no cenário literário brasileiro.

71N5oVto7PL._SY425_.jpg
514G3Ox7KzL._SX342_SY445_.jpg
51Q45XD5E7L._SY445_SX342_.jpg
412R-Mn190L._SY445_SX342_.jpg

Emília

Escrito por Bruno Muniz, Emília é um exemplo contemporâneo dessa tradição literária do folhetim. Com 64 capítulos publicados diariamente aqui no Zezeu, durante os quatro primeiros meses de 2024, o romance conquistou os leitores ao mergulhar em temas universais como amor, traição, ambição e redenção. A obra transporta os leitores para um mundo ficcional vibrante, repleto de personagens complexos e tramas envolventes.

A obra apresenta uma série de aspectos que merecem destaque. Em primeiro lugar, Emília consegue retratar de forma realista a vida cotidiana, apresentando situações e interações com as quais muitos leitores podem se identificar. Essa habilidade em capturar a

essência do dia a dia cria uma sensação de familiaridade e proximidade com a narrativa, tornando-a mais envolvente.

Outro ponto forte do romance é a humanidade dos seus personagens. Suas interações e dilemas refletem aspectos universais da condição humana, permitindo ao leitor se conectar emocionalmente com suas histórias.

Além disso, Emília aborda temas relevantes, como gentileza, respeito e solidariedade, ainda que de forma leve. Essa abordagem pode estimular a reflexão do leitor sobre esses temas e sua aplicação na vida cotidiana, enriquecendo a experiência de leitura.

O humor e a leveza presentes em alguns momentos da narrativa também são dignos de nota. Esses elementos quebram a monotonia da rotina retratada na história, proporcionando momentos de alívio cômico e tornando a leitura mais agradável e envolvente.

Por fim, os diálogos entre os personagens revelam nuances dos relacionamentos e proporcionam insights sobre os pensamentos e sentimentos destes.

Entrevista

O Zezeu: Qual foi a inspiração por trás da criação do romance "Emília"? Existem eventos da sua vida pessoal ou influências literárias que contribuíram para a concepção da história e dos personagens?

Bruno Muniz: Eu acredito que não tenha uma inspiração específica, mas se nós formos falar de alguma inspiração em alguma obra literária, talvez seja A Hora da Estrela, da Clarice Lispector, porque eu li esse livro há muitos anos e fiquei com a história da Macabeia na minha cabeça. Acho que se eu for buscar no meu subconsciente alguma inspiração, seria daí, da Clarice, da Macabeia, da Hora da Estrela.

OZ: O processo de escrita de um romance serializado, como Emília, apresenta desafios únicos. Como você lidou com esses desafios ao desenvolver a trama e os personagens ao longo dos 64 capítulos ?

BM: Sim, alguns desafios. Primeiro, você ter que escrever o capítulo diário porque você fez um compromisso com a revista literária. O segundo é porque os leitores estão interagindo com você simultaneamente. Então você escreve o capítulo e no mesmo dia os leitores já se colocam no lugar da personagem, principalmente da Emília. E, além de se colocar no lugar dos personagens, dão palpite o que a personagem deve ou não fazer. Isso é desafiador, realmente é algo único.

OZ: Emília aborda uma variedade de temas relevantes, como gentileza, respeito e solidariedade. Qual foi a sua intenção ao escolher esses temas e como você os incorporou à narrativa de forma significativa?

image.png

Eu quis deixar um recado e acrescentar alguma coisa positiva para os leitores. Eu pensei basicamente isso, consultar a alma e não o mercado.

BM: Olha, eu não pensei nos temas, eles foram fluindo, digamos assim, eu quis deixar um recado e acrescentar alguma coisa positiva para os leitores. Eu pensei basicamente isso, consultar a alma e não o mercado. Eu não pensei em como o livro vai ser aceito, eu pensei em como eu estava naquele momento, o que eu queria passar para as pessoas, o recado que eu queria deixar do romance da Emília.

OZ: Os personagens de Emília são apresentados de maneira a transmitir sua humanidade e complexidade. Como você desenvolveu esses personagens ao longo da história e como você os tornou tão cativantes para os leitores?

BM: Eu acredito que eu criei os personagens da perspectiva da Emília. Eu ia para uma cafeteria, eu colocava um fone de ouvido para escrever Emília. Quando eu escolhia uma trilha sonora, quando eu colocava a música da Emília, eu já me transformava na personagem e os personagens que eu fui criando vieram daí, da perspectiva da Emília, como ela encara o mundo, como ela encara a amizade, o coleguismo, a profissão, o amor, o amor do passado. Então foram sendo criados de acordo com a personagem principal.

 

OZ: A representação realista da vida cotidiana é uma característica marcante de "Emília". Como você conseguiu capturar essa essência e quais recursos utilizou para criar uma sensação de familiaridade e proximidade com os leitores?

BM: Eu tirei essa caracterização da vida cotidiana, da minha vivência mesmo, e do que eu já li, do que eu assisti, do que eu vi de toda a cultura que eu venho colhendo durante a minha vida. Então eu consegui passar aos leitores isso de acordo com a minha vivência mesmo. Essa sensação que você diz de familiaridade, de proximidade com o leitor, eu acho que Platão, em Fedon, dizia que se distingue a obra claramente técnica da obra inspirada, né? Eu pensei nisso, assim, eu não preocupei em fazer uma obra técnica, porque eu estava experimentando, eu estava fazendo um folhetim, eu estava praticamente escrevendo uma obra sem revisão para o público, estava dando a minha cara a tapa, e eu deixei de lado a técnica e me apeguei na alma, na inspiração, então eu acho que isso fez os leitores se enxergarem na Emília e nos personagens e se apegarem, assim, ao romance.

 

OZ: Por que você decidiu publicar Emília no Zezeu? Qual foi o papel desse veículo na promoção da sua obra e como você vê a importância dos veículos especializados na divulgação de obras literárias contemporâneas?

BM: Ah, eu já sabia que seria um terreno fértil para a disseminação da cultura e da boa literatura, digamos assim, da literatura, não da boa literatura, vamos falar em literatura, e foi importantíssimo porque eu só consegui chegar nos leitores porque o Zezeu tinha uma qualidade incrível, que todos os dias, à meia-noite publicava um capítulo e que faça chuva ou faça sol, o leitor sabia que no dia de manhã ele poderia acordar e ler o capítulo, então isso foi sensacional, isso me fez gostar tanto de ter escrito esse folhetim e degustar isso, digamos assim, aproveitar isso, os momentos no dia a dia durante esses quatro meses do folhetim.

 

OZ: Quais são seus planos futuros para Emília após a conclusão da serialização? Você pretende revisar e publicar o romance como uma obra completa ou explorar outras formas de expandir o universo criado na história?

BM: Os planos futuros para Emília já estão até um pouco presentes, porque eu assinarei um contrato com a primeira editora amapaense, Editora O Zezeu, para a publicação do livro físico Emília em breve.

OZ: Quais conselhos você daria para escritores que estão considerando escrever um romance serializado? Quais são os principais aspectos a serem considerados ao embarcar nesse tipo de projeto?

BM: Eu acho que, primeiro, você tem que ter a história fechada na sua cabeça, para não correr o risco de você ser tão sugestionado pelos leitores, então você tem que saber o que vai acontecer na sua história, do começo ao fim, e durante os capítulos você pode até inserir alguma coisa, alguma ideia nova que surgir, mas o conselho que eu dou, acho que além disso que eu falei, ter humildade de solicitar ajuda das musas, da inspiração divina e de saber que você abrir sua alma vai se tornar digno de algo, vir até você, uma inspiração superior. Eu penso muito nisso e eu quero sempre fazer isso em tudo que eu escrevo.

O meu território, onde eu invisto todo o meu amor, é a poesia, e eu sempre vou voltar, sempre vou cultivar a poesia.

OZ: Por fim, como autor, qual mensagem você gostaria que os leitores levassem consigo após lerem Emília? Qual é o impacto que você espera que sua obra tenha na vida e nas reflexões dos seus leitores?

BM: Eu gostaria que os leitores levassem de Emília — eu sei que isso é muito subjetivo — eu não posso aqui dizer o que eu quis passar com o livro, porque o livro tem muita poesia, eu usei muito da prosa poética, então cada um vai enxergar o livro de uma certa forma. Mas eu quero dizer para os leitores que eu sou muito agradecido a eles, a toda essa resposta, essa interação quase que imediata que eu tive, e que eles saibam que, apesar de eu ter escrito um romance, o meu território, onde eu invisto todo o meu amor, é a poesia, e eu sempre vou voltar, sempre vou cultivar a poesia, e o resultado do meu trabalho é a minha emoção, a minha oferenda, às musas, à inspiração divina. Se a obra veio dessa inspiração divina, por que não oferecê-la de volta e oferecê-la também aos leitores? Então eu acho que essa é a mensagem que eu quero passar pra eles. Que eu entreguei todo o meu amor, toda a minha poesia, a minha literatura neste romance, e recebi muito carinho em troca. Isso vai ficar para sempre marcado em mim.

Longa vida ao folhetim!

Emília emergiu como uma obra que não apenas honra a tradição dos folhetins, mas também ressalta sua vitalidade e relevância na contemporaneidade. O romance conquistou uma legião de leitores ávidos por acompanhar as aventuras e desventuras dos personagens criados por Bruno Muniz.

 

A publicação no Zezeu destaca também a importância dos veículos especializados na promoção de talentos emergentes bem como de experimentações de escritores já estabelecidos no cenário literário nacional. Ao longo dos 64 capítulos de Emília, Bruno Muniz presenteou os leitores com uma narrativa que captura a essência da vida cotidiana de forma vívida e realista. Os personagens, apesar de suas imperfeições (e também justamente por isso), são apresentados de maneira a transmitir sua humanidade e complexidade, tornando-se figuras com as quais os leitores podem facilmente se identificar.

Além disso, a obra aborda uma variedade de temas relevantes, como gentileza, respeito e solidariedade, estimulando a reflexão sobre esses valores tão importantes na sociedade contemporânea. Bruno também soube inserir momentos de humor e leveza na trama, proporcionando uma leitura envolvente e prazerosa.

À medida que Emília chegou ao seu desfecho, abre-se espaço para reflexão sobre o papel contínuo do gênero folhetinesco na narrativa brasileira. Bruno Muniz, com sua habilidade narrativa e sensibilidade temática, demonstra que esse estilo literário ainda possui muito a contribuir para o panorama literário nacional, alimentando a imaginação dos leitores e explorando questões pertinentes à sociedade contemporânea.

Assim, aguardamos com expectativa as próximas contribuições de Bruno Muniz e de outros escritores nossos para o cenário literário brasileiro, confiantes de que sua escrita continuará a enriquecer e encantar os leitores ávidos por novas histórias e novas experiências literárias. Emília é uma celebração da vitalidade e da relevância do folhetim na literatura brasileira contemporânea. Vida longa ao folhetim!

Comentários (3)

Bruno Muniz
Bruno Muniz
May 02

Foi uma experiência instigante! Obrigado Zezeu pela oportunidade!

Curtir

Guest
May 01

Foi muito agradável acompanhar Emília. Parabéns ao Bruno Muniz e ao Zezeu!

Ana Anspach

Curtir
Bruno Muniz
Bruno Muniz
May 02
Replying to

Obrigadíssimo!


Curtir
bottom of page